A diretoria da Superintendência de Água e Esgoto de Ituiutaba (SAE) recebeu a imprensa local para um café da manhã e, na oportunidade, apresentou um relatório dos investimentos realizados em 2018, uma projeção dos investimentos que serão feitos neste ano de 2019 e ainda, algumas mudanças no sistema de tarifação sobre o consumo de água, impostas pela agência reguladora e que deverão ser cumpridas pela SAE.

Sobre os investimentos realizados em 2018, o montante chegou próximo de R$ 4 milhões, entre recursos próprios e de terceiros, que foram aplicados em melhoria do serviço de água e esgoto em toda a cidade.  Entre os investimentos feitos, destacam-se ampliação e substituição de 17,6 quilômetros de redes e ramais de água; ampliação e substituição de 16,3 quilômetros de redes de esgoto; melhoria da eficiência energética com a aquisição de equipamentos mais econômicos e recuperação de interceptores no Córrego Pirapitinga, entre outros.

Para este ano de 2019 estão previstos investimentos de R$ 7,6 milhões em recursos próprios e outros R$ 14 milhões em recursos de terceiros.  Todo este dinheiro terá diversas aplicações, que vão desde melhorias no atendimento ao público e qualificação de pessoal, até construção de adutora para abastecimento da parte alta da cidade, beneficiando bairros como o Buritis, Nadime Derze I e II e bairro Canaã.  Também serão construídas redes de esgoto no Bairro Paranaíba e interceptores no Bairro Esperança, entre outros serviços.

“Ao longo deste ano de 2019 estaremos com obras ou algum tipo de intervenção em praticamente todos os bairros da cidade. Qualquer desconforto momentâneo à população, terá como objetivo final, a melhoria na prestação de serviços de fornecimento de água tratada e coleta de esgoto doméstico. Ou seja, estaremos investindo na melhoria do serviço que prestamos à população de Ituiutaba”, disse o diretor da SAE, Marcos André Alamy.

Revisão Tarifária

Sobre a proposta de revisão tarifária, exigida pelo Consórcio Intermunicipal de Saneamento Básico Região Central (CISAB-RC), agência reguladora da SAE, Marcos André adiantou que este novo mecanismo contribuirá para tornar a cobrança mais justa, beneficiando quem consome menos e estimulando o consumo consciente e a eliminação do desperdício.

“O sistema atual coloca no mesmo patamar, com tarifa de R$ 32,86, os consumidores que gastam entre zero e dez metros cúbicos mensais de água. Com a revisão tarifária, a cobrança será conforme o volume consumido, partindo de R$ 18,40, que corresponde a uma variação negativa (economia) de R$ 14,46. Na outra ponta, aqueles moradores que consomem mais água, pagarão por este benefício. Um consumo de 50 metros cúbicos, por exemplo, que hoje é tarifado em R$ 275,74 será reajustado em R$ 20,74, o que corresponde a uma tarifa mensal de R$ 296,48”, explicou.

O diretor da SAE ressaltou que esta é uma forma justa de tarifação, uma vez que privilegia quem faz o uso racional de um bem tão precioso como é a água. “A Agência Reguladora entende que não é justo que um cidadão que tenha um consumo elevado de água, sem qualquer preocupação com racionamento, pague o mesmo valor que aquele consumidor que faz o uso dela para suas necessidades primárias, de forma racional e sem desperdício”, concluiu. A mesma proposta de revisão tarifária também será aplicada nas categorias Residencial Social, Comercial e Industrial.

COMENTE NO FACEBOOK

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here